Modos de homem & modas de mulher

global_mod_homem_mod_mulh

Assistam hoje, na TV CULTURA, às 21h30 no “entrelinhas”, programa sobre o livro “Modos de homem & modas de mulher” do sociólogo Gilberto Freyre. Imperdível!!!!

Gilberto Freyre. Modos de homem & modas de mulher.
por Veronica Stigger 
Escritora

Gilberto Freyre morreu em 1987. Naquele mesmo ano, foi lançado seu livroModos de homem & modas de mulher. Uma segunda edição só saiu no final de 2009. Neste livro, Freyre sistematiza um dos tópicos com que vinha trabalhando, de maneira mais oblíqua, em obras anteriores: a moda.

A novidade deste livro em relação às suas observações anteriores sobre o tema está em que, em seus últimos anos, Freyre percebe uma mudança na concepção da moda no Brasil. A partir da década de 70, ele verifica que há um significativo «abrasileiramento» não apenas dos modos de vestir, como também de se pentear e de calçar. A moda acompanhava toda uma transformação das formas de pensar e de se comportar.

Até então, os modelos de vestuário eram passivamente importados da Europa, principalmente da França. Isso acarretava a adoção de roupas e de penteados completamente inadequados tanto ao nosso clima quanto às formas da mulher brasileira. No final do século XIX, chegava-se ao absurdo de as mulheres desfilarem com luvas e peles no calor do Rio de Janeiro. E não menos absurdo era o fato de os homens preferirem a cartola ao chapéu de palha, mais fresquinho e mais de acordo com as altas temperaturas.

Gilberto Freyre recorda a tentativa pioneira de Flávio de Carvalho de criar um traje para os homens dos trópicos. O seu famoso New Look, de 1956, se compunha de saiote, blusa de manga bufante, sandália e meia arrastão. A ideia era substituir o terno e a gravata – peças de roupa que, para Flávio de Carvalho, seriam incompatíveis com o clima dos trópicos. A moda não pegou, mas, alguns anos depois, os homens, de um modo geral, se viram livres da obrigação de vestir terno e gravata no dia-a-dia.

Como observa Freyre, a partir da década de 70 começa a valorização de modas que se ajustam mais às peles bronzeadas nas praias de nossa imensa costa. Aliás, passa-se a ter o que Freyre identifica como «um orgulho da morenidade»: todos querem ter a pele dourada. É a glorificação da beleza morena de Sônia Braga – mas sem deixar de se festejar a beleza loira de Vera Fischer. É como se a moda finalmente começasse a prestar atenção ao caráter miscigenado – «metarracial», como diz Freyre – da população brasileira e a se preocupar em explorar a nossa própria cultura. Assim, nos tecidos, as cores escuras e monocromáticas européias deram lugar às estampas coloridas. E passou-se a adotar materiais próprios do Brasil na confecção de roupas, como o algodão ou a cambraia.

Eventos como o São Paulo Fashion Week mostram que essa tendência não arrefeceu. Pelo contrário: há uma busca, por parte de estilistas brasileiros, de criar modelos próprios, não derivados dos europeus. Não por acaso, o tema de uma das últimas edições do evento era «brasileirismos».

 

Veronica Stigger
Nascida na cidade de Porto Alegre em 1973. Formou-se em jornalismo, mas deixou as redações para dedicar-se à pesquisa universitária. É doutora em teoria e crítica da arte pela USP, com estudo sobre as relações entre arte, mito e rito na modernidade. Desde 2001, vive em São Paulo. “O trágico e outras comédias”, seu livro de estréia, foi publicado primeiramente em Portugal, em 2003, pela editora Angelus Novus. Em abril de 2004, foi lançado em versão brasileira pela 7Letras.
(Visited 235 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais