Tag de roupa – seu vendedor silencioso

tagroupavisualmerchandisingPDV1-1

 

Você já notou que praticamente todos as roupas trazem junto da etiqueta de preço uma outra etiqueta promocional? Pois é, essas são as tags e não estão ali à toa.
 +
Essas etiquetas são materiais promocionais essenciais para agregar valor a um produto, principalmente no caso de peças diferenciadas cujas informações complementares ajudam o consumidor a entender aspectos do produto como processo produtivo, origem das fibras ou o designer que assinou a criação.
 +
E se destaca, sobretudo, nas lojas de autosserviço, já que ali não há a figura do vendedor para esclarecer detalhes sobre cada artigo, cumprindo as tags o papel de verdadeiros vendedores silenciosos.
+
Podem, ainda, trazer mensagens e dicas relevantes sobre diversos assuntos, como o modo de uso, campanhas as quais a marca apoie ou até dicas de saúde, como no exemplo da foto abaixo, um top de ginástica que cita a importância de se praticar atividades físicas.
 +
+
As tags também podem trazer explicações e informações sobre as tecnologias, materiais e processos empregados no desenvolvimento de tecidos ou peças. Ainda pode ensinar o consumidor sobre o tipo de modelagem e seus diferenciais e o tamanho da peça, prática muito comum no setor de jeans.
 +
+
Outra forma inteligente de se usar esse tipo de etiquetas é na sinalização de promoções e/ou ações internas da loja, nesse caso a tag pode ser fixa nas peças durante o evento e removida facilmente ao final da ação.
 +
As imagens abaixo são de uma ação promocional da rede Riachuelo, na qual o cliente compra três peças e uma delas sai de graça, nesse caso a tag tem a função de sinalizar os produtos que participam da promoção, orientando o consumidor e incentivando o consumo.
 +
 +
Por último (na minha opinião a mais legal) a tag pode ser utilizada para sinalizar parcerias de grandes redes de varejo com estilistas ou personalidades do mundo da moda. Nesse caso, além da comunicação visual no ponto de venda (PDV), a tag vai funcionar como a cereja do bolo em função do seu design criativo, na verdade é um mimo para o cliente, tornando-se, muitas vezes, artigo de colecionadores (algumas são tão lindas que dá dó de jogar fora!)
 +
+
Algumas orientações importantes:
 +
Tamanho Ideal: não existe tamanho padrão para essas etiquetas, o importante é que tenham destaque, porém não tire o foco do produto.
+
Quantidade: a quantidade também é livre, apenas lembre-se que menos é mais. O exemplo acima mostra bem isso, apesar da coleção exclusiva da Isabela Capeto para C&A trazer uma tag composta de quatro elementos, apenas um tem tamanho maior e os demais (menores) complementam a ideia. Alguns públicos, como os esportistas, são fissurados por informações de tags, aproveite-se disso.
+
Como fixar: com alfinete ou fita direto na etiqueta da marca da peça ou em pontos de costura (para não furar o tecido). Lembre-se que pelo Código de Defesa do Consumidor as etiquetas de preço devem ser facilmente localizadas no produto, por isso a tag não deve escondê-las.
+
Onde utilizar: Em produtos que realmente necessitam de informação complementar e produtos que necessitam de destaque no PDV, como itens de coleção exclusiva, grandes lançamentos, anúncios de mídia, peças de tamanhos diferenciados. Lembre-se que esses materiais gráficos incidem em maior custo na formação do preço de venda das peças.
(Visited 1.814 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais