Visual merchandising para lojas masculinas

visual merchandising varejo moda masculina 3

Quando falamos em visual merchandising (VM) inevitavelmente as pessoas pensam em “exposição de produtos”. Apesar do VM ser muito mais do que só a exposição (você pode ler sobre o conceito aqui), é compreensível que essa ideia se arraste até hoje, pois, durante décadas, foi a única preocupação do varejista: expor bem para vender mais.

O varejo mudou porque os consumidores mudaram – ninguém duvida mais disso. E simplesmente expor o “produto certo, no local certo, na hora certa”, como nos orienta a antiga máxima de visual merchandising, não é mais garantia de sucesso, isso porque hoje temos muitos produtos, locais certos e momentos certos. A pluralidade da moda (e de outros segmentos de consumo também) impactou diretamente na forma que devemos pensar o ponto de venda. E os homens talvez tenham sido os mais afetados nessa revolução do varejo.

Aliás, os homens não são mais os mesmos. Eles têm vivido uma transição de experimentações estéticas e alusões a um passado ora mais grotesco, ora mais divertido e flexível no modo de se vestir. Se você quiser conhecer mais sobre o perfil do novo homem sugiro a leitura dessa postagem: Homens vivem uma revolução silenciosa no consumo.

Por isso, no post de hoje compilamos algumas formas de exposição de produtos indicadas para o varejo de moda masculino.

#Dica1. Alterne a exposição dos produtos entre frontal e lateral. Evite, ao máximo, expor os produtos todos num mesmo sentido – linhas contínuas muito longas de exposição atrapalham a percepção das peças. Os mesmos produtos encabidados podem estar dobrados e repetidos na arara, preferencialmente afastados um dos outros, assim, aumentamos a chance de o consumidor notar peças que são importantes no seu mix.

#Dica2. Não agrupe os produtos por tipo, por exemplo, todas as calças juntas e todas as camisas juntas. Homens, mais do que as mulheres, não gostam de ficar procurando produtos. Assim, organizando os itens por coordenados (looks) você estimula a venda de peças adicionais. O cliente tende a desejar a solução completa que a loja propõe: além de mais rápido, é mais seguro para sua tomada de decisão.

#Dica3. Nem todos os homens são sóbrios e clássicos. Muitos gostam de cores, estampas e um ambiente de loja mais descontraído – conforme afirmam as pesquisas. Aliás, um estudo sobre cores de 2003 indicou que os homens não gostam muito da cor marrom (vale a reflexão sobre esse ponto hein?). Por isso, vale trazer para exposição dos produtos imagens de moda, cores de interesse deles – e não somente cores da moda – e objetos decorativos que agreguem valor simbólico para essa experiência de compra.

 Photography: Rico Schwartzberg

#Dica4. Mesmo que você tenha venda assistida, deixe todos os itens de fácil acesso para o consumidor. Isso significa tirá-los das embalagens, tirar de casulos e não fazer dobras muito complexas que intimidam o consumidor. Mesas, prateleiras, caixas, manequins e bustos ajudam os homens a compreender o produto e a pensar no look completo.

(Visited 483 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais