Como fazer visual merchandising em lojas colaborativas?

loja colaborativa visual merchandising 1

 

As lojas colaborativas têm crescido no país, sobretudo nas capitais, que geralmente reúnem condições mais favoráveis às experimentações de novos modelos de negócios. Vale destacar também que essas lojas têm uma dinâmica diferente de uma tradicional loja multimarcas: o gestor do espaço não compra as mercadorias para revenda, apenas subloca pequenos ou médios espaços para que as marcas apresentem seus produtos, ficando ele responsável pela manutenção das estruturas e serviços comuns, como equipe de vendas, provadores, limpeza da loja, recebimentos, reservas, trocas etc.

Assim, é o pequeno empreendedor – muitas vezes com perfil de artesão – que vai cuidar do seu micro ponto de venda, já que a maioria das lojas colaborativas optam pelo formato de nichos, ou seja, cubos ou caixas de madeira ou alvenaria que vão delimitar o espaço do locatário. Nesses espaços o expositor é responsável pela reposição das mercadorias, apresentação, precificação e limpeza.

Num ambiente comercial no qual a inovação é a maior demanda, a concorrência se torna altamente qualificada e, em função dos espaços pareados, altamente comparativa. Algumas dessas lojas colaborativas trabalham também com a curadoria do público, ou seja, se uma marca não bate a meta de vendas pré-definidas na locação será substituída por outra interessada da fila de espera. Assim, os espaços garantem que o mix de produtos esteja sempre alinhado ao interesse do público-alvo.

Conseguir o devido destaque vai além de bons e diferentes produtos, afinal, um produto único merece um espaço único. Pensando nisso, listamos algumas dicas básicas para que você consiga dar o devido destaque ao seu cubo e faço do seu negócio um grande sucesso.

Revista sua caixa: os espaços geralmente são lisos (preto, branco ou madeira crua), você pode agregar valor revestindo esse ambiente. Para isso há opções como papel de parede, tecidos, madeira, papel de presente, ladrilhos, pastilhas, placas de gesso e o que mais a imaginação permitir.

Otimize a exposição: se estiver no 2º ou 3º alinhamentos de caixa aproveite as paredes do seu nicho. Você pode buscar sistemas de exposição, como slatwall e painel de malha, que ajudarão a aproveitar melhor o espaço todo.

Ilumine-se: nossos olhos sempre procuram pela luz! Por isso iluminação e cores causam bastante impacto visual. Dica: ilumine sua caixinha. A melhor opção são as fitas de LED. Já que são baratas para aquisição e de fácil aplicação.

Produto na altura ideal: se você vende acessórios priorize caixas no segundo alinhamento. Produtos pequenos podem não ser vistos em exposição muito baixa ou alta. E, nesse caso, espelho ao fundo para prova é algo obrigatório. Se o cliente tiver que ir para outra caixinha ver o espelho que existe lá, ele também verá os produtos do seu concorrente.

Vendendo roupas: se vende roupas vale não sobrecarregar de produtos [pouco espaço, pouco produto]; use tags explicativas sobre a matéria-prima, processo produtivo, estampas exclusivas, modelagem, enfim, destaque as características únicas do seu produto; e cuidado com as peças longas, elas não devem se sobrepor às peças do alinhamento inferior.

Pense na sua fachada: seu espaço/caixinha deve ter identificação na “fachada”, tanto para reforçar sua marca e potencializar as vendas em outros canais, como para dar destaque para aqueles que já conhecem sua marca e te procuram.

(Visited 965 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais