Projeto de Visual Merchandising da flagship Valisère

loja conceito flagship Valisère
É de autoria do escritório de Patrícia Anastassiadis o projeto de brand experience desenvolvido para os 75 anos da Valisère, marca de lingerie presente em 3 mil pontos de venda mas até então sem loja própria. O conceito da flagship store foi criado em parceria com a cenógrafa Daniela Thomas e a estilista Flávia Lafer. Generosos, os espaços são inspirados nas diferentes fases da vida da mulher e formam um percurso que leva à intimidade de fetiches e segredos.
+
A vitrina iluminada por leds ganha dinamismo
com a mudança de cores. O cobogó em resina
reproduz a logomarca e cria o plano
que se assemelha a renda
Convidada a desenvolver a flagship da Valisère – loja a ser reproduzida ou adaptada em outras unidades, estabelecendo uma identidade institucional -, Patrícia Anastassiadis considerou a imersão na marca um processo simples, já que, além de experiente nesse tipo de trabalho, ela é consumidora do produto.
+
“Como cliente, eu gostaria de ter uma experiência diferente na hora da compra. Ficar olhando as peças naquela sequência de cabides pendurados em araras é chato e cansativo”, ela constata.
+
A partir dessa justificativa, a arquiteta explica a intenção de explorar a percepção espacial e associar os ambientes internos a experiências ligadas à feminilidade, da transição das fases e momentos da vida, passando por segredos e fetiches mantidos na intimidade até as emoções que a lingerie representa.
+
O primeiro espaço é o estar que recepciona os clientes. Com paredes revestidas por espelhos ou tecido em capitonê rosa, ele é marcado pela logomarca refletida no piso.
Vista interna da fachada com a porta rosa. A luz natural ou a iluminação atravessa os cobogós e modifica constantemente o espaço de entrada
+
A imagem vem da luz que atravessa os cobogós da fachada, uma estrutura autoportante executada em resina translúcida, posicionada atrás da vitrine. “Fizemos vários testes até que conseguíssemos chegar à solução com a resistência adequada”, detalha Patrícia.
Na área Básica, onde estão expostas as lingeries
de uso dário, não são esperadas compras por impulso
+
Seguindo o percurso definido pelo assoalho com colocação do tipo espinha de peixe, um novo espaço é percebido antes mesmo que se vejam os produtos apresentados nos expositores plásticos nas paredes, substituindo as tradicionais araras.
+
Nessa área predominantemente branca e com desenhos retos e limpos, denominada Básica, está exposta a lingerie de uso diário. A iluminação também reflete a objetividade de um local em que não se esperam compras por impulso, mas sim motivadas pela necessidade do dia a dia.
+
Área Romântica, com lingeries mais delicadas.
Espaço reflete a delicadeza de rendas e detalhes
Uma nova percepção espacial antecede a visualização dos produtos na área Playfull, que compreende linhas também funcionais, porém extrovertidas, enriquecidas por estampas, diversidade de cores e acabamentos.
+
Lúdico, o espaço apresenta elementos de diferentes proporções e explora plasticamente a logomarca impressa no piso e nas paredes.
+
Avançando pelo percurso chega-se à área Romântica, setor que expõe as lingeries elaboradas com rendas e detalhes, modelos preferidos pelas noivas, por exemplo. A delicadeza das peças é traduzida pela ambientação contemporânea, que busca inspiração na arquitetura antiga francesa.
+
A área Playfull, com lingeries mais descontraídas, brinca com a logomarca da empresa e proporções agigantadas
+
Mais alguns passos adiante e chega-se ao clímax do projeto. Com formas curvas, texturas sedutoras e tonalidades de vermelho, a área Sensual configura um espaço intimista para a exposição de lingeries que liberam o lado fetichista e erotizado. Efeitos de iluminação reforçam a dramaticidade do ambiente e valorizam o produto. Os provadores de grandes dimensões repetem a linguagem com apelo à luxúria.
+
A área Playfull com lingeries mais descontraídas
Elementos da arquitetura francesa antiga, como o trabalho de
boiserie e os espelhos bisotados, ganharam
reinterpretação contemporânea
+
O conceito da flagship da Valisère foi definido por Patrícia em parceria com a cenógrafa Daniela Thomas e a estilista Flávia Lafer, enquanto a vitrine foi desenvolvida com a consultoria do cenógrafo Edgard Octavio, que já realizou trabalhos para marcas como Chanel e Hermès. A loja foi implantada nos Jardins, na rua Oscar Freire, endereço de luxo do comércio de rua paulistano.
+
Na área Sensual, o clímax do projeto. Efeitos de iluminação, linhas curvas e o tom vermelho estimulam o erotismo.
As paredes são revestidas por papel de textura aveludada.
Os provadores de grandes dimensões repetem a linguagem com apelo à luxúria.

Ficha técnica
Flagship Valisère
Local São Paulo, SP
Início do projeto 2010
Conclusão da obra 2010
Área do terreno 240 m²
Área construída 295 m²
Arquitetura e interiores Anastassiadis Arquitetos – Patrícia Anastassiadis (autora)
Conceito Anastassiadis Arquitetos, Daniela Thomas e Flávia Lafer
Luminotécnica Design da Luz – Fernanda Carvalho
Ar condicionado Alternativa
Construção e estrutura CYMZ
Texto Adilson Melendez – ProjetoDesing Ed.369
Fotos Rômulo Fialdini
(Visited 489 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais